Em 2001, Jim O’Neill, então presidente de gestão de ativos do Goldman Sachs, considerou uma nova divisão internacional do trabalho, na qual despontavam países emergentes que poderiam alcançar os mais ricos. O’Neill inventou o acrônimo para descrever os países emergentes, como Brasil, Rússia, Índia, China e, depois, África do Sul, e recomendá-los aos investidores como o “futuro” da economia mundial.

Desde então, os BRICS floresceram economicamente, pelo menos em relação a outros Estados no sistema econômico internacional.

Passados 20 anos, porém, questiona-se: qual o lugar dos BRICS na ordem mundial? Além disso, diante da possibilidade de pandemias como a do SARS-CoV-2, que parcerias podem estabelecer nas áreas da ciência, de tecnologia e da inovação?

Essas e outras questões serão debatidas no webinar O futuro da cooperação dos BRICS, promovido pelo Foro Inteligência. Com participação de Sachin Chaturvedi, diretor do Research and Information System for Developing Countries (RIS), e Ana Garcia, professora de Relações Internacionais da PUC-Rio e diretora do BRICS Policy Center, o evento começa às 11h, no dia 11/08 (quarta-feira).