Um ano após a primeira morte por Covid-19 no Brasil, o país é considerado o epicentro global da pandemia. E a situação só piora: o país apresenta os piores recordes diários de mortes provocadas pela doença. O temor é de que haja um colapso no sistema público de saúde.

Não bastasse a assustadora realidade pandêmica, especialistas alertam para a ameaça de um iminente surgimento de novos supervírus. Apesar dos avanços científicos, estes agentes patogênicos surpreendem com seu alto poder de replicação e letalidade. Mutações que levariam séculos para ocorrer em seres complexos como nós podem ser observadas em algumas semanas de vida desses vírus.

As razões para essa fragilidade sanitária são diversas. Destacam-se:

· Alta densidade populacional

· Invasão de ambientes naturais pelo ser humano

· Crises ambientais

· Falta de tratamento de água e esgoto

Combinados, esses são ingredientes infalíveis para potencializar a adaptação de vírus desconhecidos ou variantes dos conhecidos na população humana. Eles dependem do hospedeiro para serem replicados e todos têm predileção por determinados órgãos ou tecidos dos seres vivos.

Para discutir estas e outras questões, o Foro Inteligência promove no dia 24 de março, às 19h, o webinar “O risco iminente de novos supervírus”, com a participação de Fernando Motta, PhD, Virologista e Chefe substituto do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo da Fiocruz.

As inscrições estão abertas e são gratuitas. Ao fim do webinar, o palestrante responderá às perguntas do público. Participe dessa conversa!